Casas em Portugal

Ayrton Lolô Cornelsen visita o condôminio na Vila Camões. Fotos: André Rodrigues

Casas Portuguesas

Um estudo recente afirma que a maioria dos portugueses considera viver em casas frias e energicamente desconfortáveis no inverno. Portugal tem a electricidade mais cara da Europa e, por isso, são elevados os gastos de energia para responder ao frio.

Uma investigação de 2003 da Universidade de Dublin concluía, já então, que Portugal era um dos países com maior taxa de mortalidade por falta de aquecimento ou isolamento das habitações. Apesar de Portugal ser dos países europeus com condições mais favoráveis à poupança de energia, mesmo no inverno, é o quarto país com a electricidade mais cara na Europa. Foram inquiridas cerca de mil pessoas em Portugal continental, através de questionários online, e os resultados indicam que cerca de 74 por cento consideram que a casa onde vivem é fria no inverno, 25 por cento dizem que é quente no verão e só um por cento da população inquirida considera as respetivas casas termicamente confortáveis.

Dos 74 por cento que consideram viver numa casa fria, 35 por cento dizem colmatar as necessidades de aquecimento usando mais roupa e mais equipamentos eletrónicos, 21 por cento recorrem apenas a mais equipamento e 20 por cento usam mais roupa. Destes 74 por cento, 21 por cento afirmam ainda que os gastos de energia para melhorar as condições térmicas nas habitações aumentam quase o dobro e cerca de 24 por cento referem ter pessoas em casa com prolemas de saúde devido à falta de conforto térmico.

Convém que os decisores governamentais e os municípios estudem mais detalhadamente estas influências, para perceber o que se pode fazer para evitar problemas graves de desconforto térmico